'Desert Island Paint'

de Paulo Quintas

 

 

“Em “Desert Island Paint”, Paulo Quintas transporta para um oceano branco a sua contínua experimentação conduzida pela materialidade das tintas e das técnicas. Seguindo caminhos do acaso, ditados muitas vezes pela repetição de processos e formas, chega à criação de uma pintura que é uma descontinuidade com a realidade.

O vazio, negativo da representação, e a planeidade, a afirmação do não material, são uma gramática que se vai actualizando numa constante reactivação de experiências.

(...)

Nesta exposição, que é um regresso ao suporte do papel (14 obras em papel e 5 em tela), as questões técnicas rivalizam mais uma vez com as ideias formais e é aí no lado técnico que a experimentação ocorre, que a novidade pode surgir para Paulo Quintas. O artista aceita o acaso resultante de um processo com direcções imprevisíveis, sem estar condicionado por uma dimensão profunda da pintura, pois esta acabará por emergir na transmutação da matéria.”

 

Liz Vahia