vera midoes-solo2-FR.png

CAN YOU PLAY?


[...] As palavras são decantadas tornadas só mesmo no essencial, é rasgada a assimilação do que é escrito para ser lido e o que é que escrito para ser desenho. As imagens repetem-se tanto que elas planificam-se com o peso de todas as réplicas e clones das tentativas de mergulhar nelas. As telas da Midões são pesadas, porque carregam todas as pegadas que se dá quando se joga à macaca — e a macaca iniciou-se como um exercício de treino para a guerra. Do mesmo jogo nascem centenas de outros. Cada vertente destrói as barreiras de múltiplas definições de vários jogos, balançam-se entre céu e inferno e tudo no meio é uma sopa de letras que só constrói significados sem significado (com significado) à medida que se vai comendo. As pinturas são a chave para entrar dentro delas.

1, 2, 3, 4, 5… tudo são lados de tabuleiros prontos a ser jogados. Tabuleiros já iniciados com as peças no momento da eterna tensão. Tabuleiros desfeitos com mau perder.
O jogo começa quando se erra.

Guilherme Figueiredo

 


 

VERA MIDÕES (Lisboa), frequentou Sociedade Nacional de Belas Artes; Em 2004, Concluiu o bacharelato na Escola Superior de Teatro e Cinema - No Curso de Realização Plástica do Espectáculo. Participou em Exposições como na Carpe Diem com o AR.CO. em 2017. Terminou o curso avançado de artes plásticas no AR.CO - Exposição de bolseiros e Finalistas 2019. Em 2020 Exposição Carpe Diem, Arte e Pesquisa, Prémio Jovem 2020 Millenium BCP; 2020 Exposição Amorpho SUPER 1; 2020 Exposição Safra - Amorpho.