'Segmento'

de Miguel Ângelo Rocha

Durante as experiências que tomaram lugar no atelier, entre 1992 e 1993, dois grupos de trabalhos surgiram sob a urgência de sair de uma zona confortável e conhecida.

O movimento, em si invisível, determina sempre essa urgência - quero dizer, o próprio trabalho e a sua razão. A concentração, a atenção, a intoxicação seguiram, assim, esse sentido: o requisito de uma estrutura maleável.

Assim descrito, o movimento, também enquanto maleabilidade, permitiu um novo impulso em obras recentes - segmento que reconfigura aquelas experiências anteriores.

 

M.A.R., Outubro, 2016